Franqueado utiliza habilidades profissionais para abrir escola de inglês

0
4512
fachada unidade life usa - franquia escola de ingles

“Hoje me sinto mais dono de mim mesmo”. É assim que Norberto Tortorelli, o mais novo franqueado da rede de escolas de inglês LifeUSA, define o seu momento profissional. Depois de trabalhar por quase 30 anos em uma multinacional, o engenheiro mecânico resolveu mudar o rumo de sua carreira. Colocou em prática o antigo desejo de abrir o próprio negócio e investiu em uma franquia de idiomas em julho de 2017.

A decisão teve um fator determinante: qualidade de vida. “Chega um ponto em que o mundo corporativo suga demais as energias”, avalia Tortorelli. “Eu estava em um ritmo muito intenso de trabalho. Depois de enfrentar um sério problema de saúde, resolvi desacelerar e explorar algumas das minhas habilidades para obter retorno em algo próprio”.

Apesar da formação em engenharia, Tortorelli conta que sempre teve mais afinidade com os assuntos relacionados a processos administrativos e de gestão. E como sua rotina no meio corporativo estava ligada a reuniões, eventos e viagens internacionais, a experiência com outros idiomas era fundamental.

Bastou unir as duas competências para ter a resposta de que precisava. A habilidade com o idioma e a familiaridade com a gestão foram as ferramentas necessárias para decidir sua área de atuação. Foi então que decidiu investir em uma franquia de educação voltada ao ensino de inglês para o público adulto.

CAMINHO LONGO

Com apenas dois meses de atividade no bairro de Moema, em São Paulo, a unidade já possui mais de 120 alunos e 10 funcionários diretos. No entanto, para concretizar o investimento e começar a colher frutos dele, a trajetória foi longa. “Comecei a pensar em sair da antiga empresa para ter algo próprio há seis anos”, conta Tortorelli. “Entre idas e vindas de outros projetos profissionais, conheci o Grupo SMZTO e passei a focar no estudo da área educacional”.

Os números ajudaram no veredito. De acordo com dados da ABF (Associação Brasileira de Franchising), o faturamento nesta área alcançou R$ 5,3 bilhões no primeiro semestre de 2017, uma variação positiva de cerca de 5% em relação ao mesmo período do ano anterior. Mas, para ele, além dos dados positivos e a solidez da marca, a confiança em investir no segmento de idiomas está na necessidade atual de se falar inglês.

Porém, de toda forma, para decidir montar um negócio próprio, seja ele uma franquia ou não, é preciso bastante determinação. “São muitos os desafios, porque saí da minha zona de conforto e do meu salário fixo todo final de mês. O planejamento é completamente diferente, mas fazer parte de uma empresa forte e com suporte de qualidade me deixa bem mais confiante”, diz.

COMPARTILHAR