Franqueados também podem fazer campanhas em redes sociais!

0
143

Hoje, comunicar – e viralizar – está no topo das agendas de marketing de diversas marcas. Cada vez mais as redes sociais têm um papel importante também para as redes de franquias, tanto para dialogar com os clientes, localmente, quanto para impulsionar os negócios em geral, de forma institucional. Por meio de redes como Facebook, Instagram e Twitter, é possível direcionar a comunicação e ações de marketing para os públicos desejados de maneira rápida, fácil e mais descontraída, em tempo real.

Segundo pesquisa do próprio Facebook, a rede é acessada, diariamente, por mais de 1 bilhão de usuários. No Brasil, oito em cada dez pessoas estão conectadas ao Facebook e o usa, frequentemente, para conversar com amigos, acompanhar as notícias e interagir com as marcas. Seja para fazer uma reclamação, saber sobre lançamentos de produtos e promoções ou apenas para ver os famosos memes, posts de oportunidade e/ou de datas sazonais, o usuário sempre acompanha as publicações daquela marca específica da qual gosta e desconfia quando não acha a fanpage que procura. Afinal, quem hoje em dia não está presente, ao menos, no Facebook?

Outra rede social que está crescendo e aparecendo cada vez mais é o Instagram. Considerada “a rede do momento” para as marcas, a ferramenta possui diversos formatos de postagens, filtros, anúncios e etc., criando uma ponte muito interessante – e criativa – das marcas para com os usuários. O perfil de negócios permite o acompanhamento das métricas da marca, com dados de alcance de publicações, impressões (mostrando a frequência com o qual as peças foram vistas), respostas e quantidade de mensagens recebidas e taxa de rejeição das publicações.

A grande vantagem das redes sociais e do marketing digital é o custo com anúncios, que é considerado bem mais baixo se comparado com o marketing tradicional e suas peças publicitárias anunciadas em jornais, televisão e rádio. Franqueados, antes de iniciar suas empreitadas na comunicação digital, precisam prestar atenção a alguns detalhes. O primeiro deles é obter da franqueadora as normas de marketing. Há redes que permitem que cada loja tenha sua própria página. Outras, centralizam a divulgação, fazendo campanhas direcionadas à região ou loja dos franqueados eventualmente, de acordo com um planejamento.

Os dois modos de atuar têm benefícios e pontos de atenção. Quando cada franqueado possui sua própria conta nas redes sociais, pode conseguir chegar mais facilmente ao seu público alvo e ter controle do timing e do conteúdo das publicações. Por outro lado, em uma rede de franquias, quando esse processo não segue padrões claros com controle de políticas, pode resultar em muito ruído, com cada um trabalhando por conta própria e disseminando mensagens às vezes até conceitualmente opostas. A imagem institucional da rede pode perder com isso – e, nesse caso, perdem também todos.

No caso da comunicação centralizada, o franqueado pode até perder alguma autonomia na campanha, mas ganha em assertividade e na clareza da comunicação da rede. Quando há uma boa relação entre os franqueados e os times de marketing, dentro de um cronograma pré-estabelecido, todos podem ter espaço de divulgação – e, até, um alcance maior, por meio das ferramentas de segmentação de campanhas.

Questões de marketing digital

De qualquer forma, antes de criar perfis em redes sociais, o ideal é refletir qual é o objetivo de negócio. É captar novos clientes? Focar em engajamento com os usuários já existentes? Fazer com que a marca fique mais conhecida? Fortalecer a imagem institucional da marca perante as redes sociais? Ou, de tudo um pouco?

Sim, é possível aproveitar as redes sociais para trabalhar todos esses quesitos, porém, muitas vezes, o tiro pode sair pela culatra. Não adiantar ter e manter um perfil na rede social apenas para “fazer-se presente no mundo digital” e não ter um cuidado diário com ele. Um perfil com muitas reclamações sobre produtos e estoque, com queixas em relação a qualidade de atendimento, demora e erro de entrega ou conforto em lojas já é um indicativo ruim de que existem problemas operacionais nas unidades a serem resolvidas.

Outra questão muito importante a ser avaliada e tratada como prioridade é o tão conhecido e temido SAC 2.0 nas redes sociais. Se a marca ignora e oculta comentários com frequência, responde apenas comentários positivos ou não dá a devida resposta aos seus clientes em tempo hábil, fica explícito a falta de preparo em lidar com problemas e vontade de querer reparar as falhas na estrutura de marketing da marca. O SAC 2.0 impacta diretamente na reputação da marca, em seu faturamento e retorno dos clientes às lojas e visitas frequentes na fanpage/perfil da marca.

Cuidar bem das redes sociais da sua marca, com posts interessantes, aproveitamento de datas sazonais e posts de oportunidade, com respostas nas interações, com zelo, cuidado e respeito ao usuário e cliente pode ser a chave do sucesso no mundo digital atual.

COMPARTILHAR